quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Instituto Tecnológico Vale (ITV)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Natal

Eu poderia falar muitas coisas nesse Natal, escrever uma poesia, colocar um vídeo, enfim, ter inspiração para uma mensagem.

Esse ano, eu recebi muitas coisas de Deus, fui muito abençoada, mas também senti dores que dificilmente esquecerei, elas serão amenizadas, porém não esquecidas.
A vida é isso, ganhamos e perdemos, vivemos momentos felizes e momentos tristes.

Neste Natal meu coração só quer desejar a todos a única coisa capaz de acalmar nossas dores, celebrar nossas conquistas, mostrar quem somos de verdade.

Neste Natal desejo AMOR, muito AMOR.

Amor pela família, pelos amigos, pelo pão recebido a cada dia.
Amor pela dor sentida, pela perda sofrida mas que pedimos ao Senhor seja compreendida.

Somente o amor é capaz de nos dar tudo aquilo que precisamos e desejamos.

Seja o AMOR de Jesus o responsável por nossos passos em cada momento de nossas vidas!

Feliz Natal !

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Inovando para Durar (Marcos Felipe Magalhães)

Inovando para Durar


Quando uma organização não sobrevive à competitividade do mercado, é um sinal de que algo não saiu como o previsto - afinal, as organizações são planejadas para durarem. Nesse sentido, entende-se que a sobrevivência organizacional depende da habilidade das organizações competirem de forma bem sucedida num mercado global em que a única maneira de ser competitivo é através de inovações, mudanças evolutivas e constante adaptação aos macros e micros ambientes.  (Marcos Felipe Magalhães)

Se todas as organizações são feitas para durar, por que apenas algumas duram?

Charles Darwin ao publicar, em 1859, seu livro The Origin of Species afirmou que a sobrevivência ou a extinção de cada organismo é determinada, nem pelo mais forte ou mais rápido, mas pela habilidade em se adaptar ao ambiente. Seguindo a Teoria da Evolução, ainda que nasçam frágeis, os organismos lutam pela sua sobrevivência, desde o primeiro minuto da sua existência, lidando com a escassez de recursos e com o propósito de obter posições privilegiadas que assegurem a sua perpetuidade. Do mesmo modo, como a maioria das organizações é criada sem prazo para acabar, então, o derradeiro objetivo das organizações é a perenidade .

Nesse sentido, entende-se que a sobrevivência organizacional depende da habilidade das organizações competirem de forma bem sucedida num mercado global em que a única maneira de ser competitivo é através de inovações, mudanças evolutivas e constante adaptação aos macros e micros ambientes.

(GABRIS; MITCHELL, 1991)

(BURGERS; CROMARTIE, 1991)

Inovações, mudanças, evoluções e adaptações

A sabedoria tradicional, que aconselha voltar aos fundamentos e reduzir custos, está com os dias contados. Os vencedores serão os inovadores que estão fazendo com que o pensar arrojado seja parte do dia-a-dia dos negócios .

A inovação é utilizada desde o começo da história humana, como um meio de progredir e evoluir para o ser humano e as suas instituições, mas devido à velocidade da economia moderna, a competitividade e sobrevivência ao longo prazo das organizações depende cada vez mais da sua capacidade de inovar, ficando assim à frente de seus concorrentes .

A gestão da inovação não pode cuidar apenas de tecnologia, ingredientes, ou equipamentos, e nem apenas cuidar de custos ou de mercado. Abrange toda a gestão da inteligência, ampliando e atualizando o conhecimento para torná-lo um instrumento de competitividade.
 
Leia o artigo completo em http://biblioteca.terraforum.com.br/BibliotecaArtigo/Inovando_para_durar.pdf
 
Boa Semana!

Que país é esse!! É o Brasil, dos Lulas, das Dilmas, dos Senadores, dos Deputados.....

Notícia publicada na Folha de São Paulo.


Esse é o país que temos, que elegemos e que não reclamamos e não nos posicionamos!


Leia-se, a propósito, um par de notas veiculadas no Painel, editado pela repórter Renata Lo Prete, na Folha:

- É Natal 1: Para aumentar o salário dos senadores, houve quem fizesse a seguinte proposta: reduzir dois funcionários por gabinete e repassar o valor da "sobra" aos congressistas, para não ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal. Poucos acreditam na viabilidade da fórmula.

- É Natal 2: Na Câmara, os deputados dão como certa a aprovação, até o dia 22, da equiparação salarial com o valor hoje pago aos ministros do Supremo (R$ 26,7 mil). O impacto orçamentário seria de R$ 130 milhões anuais.

Enquanto isso, quem trabalha de verdade ganha R$500,00 e quando ganha!!!!
Realmente cada povo tem os governantes que merecem!!!!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Fala Bit: Férias de um Ficha Suja

Fala Bit: Férias de um Ficha Suja: "Jader Barbalho dispensa apresentações no país inteiro. Sua má fama o precede e assusta os incautos. Como alguém com seu currículo pode ainda..."

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

MIssão Técnica Internacional e Módulo Internacional MBA em Gestão de Habitats de Inovação

A Missão Técnica e o Módulo Internacional do curso de MBA em Gestão de Habitats de Inovação, realizada pela Câmara de Comércio e Indústria Israel-Brasil em parceria com a ANPROTEC e o SEBRAE Nacional, foi um
                                  S U C E S S O !

O objetivo da missão foi realizar, no âmbito do Programa de Cooperação Científica e Tecnológica entre o Brasil e Israel, visitas as universidades, centros de pesquisa científica, parques científicos e tecnológicos, incubadoras de base tecnológica e os sistemas de transferência de conhecimento científico para o setor empresarial.


Na primeira etapa da viagem à Israel que ocorreu de 07 a 13 de  novembro os 40 participantes puderam visitar os seguintes Habitats de Inovação:

PARQUE TECNOLÓGICO HAR HOTZVIM, localizado na região metropolitana de Jerusalém, onde estão as mais importantes empresas de base científica e tecnológica da cidade, que transformou a área numa região exclusiva caracterizada pelo espírito hightech.


YISSUM TECHNOLOGY TRANSFER, a Agência de Transferência de Tecnologia da Universidade Hebraica de Jerusalém, referência internacional em gestão de propriedade intelectual e transferência de conhecimento. É responsável pelo marketing das invenções criadas na Universidade mais veterana de Israel. Nos últimos 40 anos, Yissum outorgou mais de 450 licenças de utilização de tecnologias e é responsável pela comercialização de uma série de produtos bem sucedidos no mercado mundial. Os seus objetivos lembraos do PE-ET

PARQUE TECNOLÓGICO KIRYAT WEISMANN, NA CIDADE DE NESS TZIONA, foi criado para atender a crescente demanda de ambiente propício para desenvolvimento da emergente indústria de tecnologia de ponta. É o primeiro em Israel neste modelo.

INSTITUTO WEIZMANN DE CIÊNCIAS, situado na cidade de Rehovot, é um dos mais conceituados institutos de pesquisa multi-disciplinar de ciências do mundo Em seu quadro estão cerca de 2500 cientistas, técnicos e estudantes de pesquisa (Mestrado, Doutorado e Pós Doutorado). É dele o Prêmio Nobel de Química em 2009.

PARQUE TECNOLÓGICO M.A.T.A.M., localizado junto da Universidade de Haifa, é o maior parque científico e tecnológico de Israel, abrigando os Centros de Pesquisa e Desenvolvimento de mais de 50 empresas, entre elas as globais Intel, Microsoft, Google, Yahoo, Elbit e Philips.

UNIVERSIDADE DE HAIFA, localizada no cume da cadeia de montanhas Carmelo, na cidade de Haifa, é reconhecida pelo seu intenso programa de pesquisa e pós graduação. Anexo ao seu campus está o Instituto Israelense de Tecnologia Technion

INSTITUTO ISRAELENSE DE TECNOLOGIA TECHNION, importante centro de pesquisa e pós graduação nos diversos setores da engenharia e da tecnologia. É um importante centro de pesquisa de apoio à indústria de tecnologia de ponta de Israel. Dois de seus cientistas receberam o Prêmio Nobel de Química.

INCUBADORAS DE BASE TECNOLÓGICA. A missão incluiu também visitas às incubadoras de empresas de base tecnológica localizadas na cidade de Yavne, em Tiberías, na Região TEFEN e nas Colinas do Golan.

A segunda etapa da viagem foi destinada aos participantes do curso de MBA em Gestão de Habitats de Inovação.

(Em breve informações sobre a segunda etapa da viagem).

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Belém aos olhos de Zuenir Ventura


Vale a pena ler!

Só vendo
ZUENIR VENTURA
Acostumados com o clichê preconceituoso que acredita não haver vida inteligente fora do eixo Rio-São Paulo, nos surpreendemos quando encontramos alguma atividade cultural em cidades do chamado "interior" — o "centro" somos nós, claro. Por exemplo: onde é possível reunir cerca de 650 mil pessoas, um terço dos moradores, para tratar de um assunto meio fora de moda, a leitura? Pois acabo de ver o fenômeno em Belém, na XIV Feira Pan-Amazônica do Livro, um dos três principais eventos do gênero no Brasil, este ano dedicada à África de fala portuguesa. Houve shows com Gilberto Gil, Lenine, Emílio Santiago, Luiza Possi, mas o destaque foram os R$30 milhões faturados com a venda de 500 mil volumes, superando, segundo os organizadores, a Bienal do Rio.
Há cidades brasileiras que só vendo. A capital do Pará é uma delas. Além de ser uma das mais hospitaleiras do país, gosta de seu passado e é hoje um exemplo de como revitalizá-lo. Já escrevi e repito que a intervenção que o arquiteto Paulo Chaves fez no cais da cidade, transformando armazéns e galpões na monumental Estação das Docas, é uma obra que não deve nada à que foi realizada em Barcelona ou Nova York (o prefeito Eduardo Paes devia ir lá ver). Outro genial exemplo de reaproveitamento é o centro onde se realiza a Feira, o Hangar, um gigantesco espaço que antes, como diz o nome, servia de estacionamento para aviões.
E não fica nisso. Há roteiros culturais como o do núcleo Feliz Lusitânia e seu Museu de Arte Sacra, onde se encontram uma Pietá toda em madeira, o São Sebastião de cabelos ondulados e a famosa N. S. do Leite, com o seio esquerdo à mostra dando de mamar. Sem falar nos museus do Encontro e de Gemas do Pará, e numa ida a Icoaraci para ver as cerâmicas marajoara, tapajônica e rupestre.
Para quem gosta de experiências antropológicas, recomenda-se — além dos 48 sabores regionais, a maioria, do sorvete Cairu — uma manhã no mercado Ver-o-Peso, onde me delicio nas barracas de banhos de cheiro lendo os rótulos: "Pega não me larga", "Amansa corno", "Afasta espírito", "Chora nos meus pés". Com destaque para o patchuli, que a vendedora me diz ser o odor de Belém. Mas antes deve-se passar pela área dos peixes: douradas, sardas, tucunarés, enchovas, piranhas, tará-açus. "Esse aqui é o piramutaba", vai me mostrando o nosso guia, o cronista Denis Cavalcanti; "aquele é o mapará, olha o tamanho desse filhote".
Desta vez, o ponto alto da visita foi uma respeitável velhinha fazendo o comercial do Viagra Amazônico para mim e o Luis Fernando Verissimo: "O sr. dá três sem tirar, e depois ainda toca uma punhetinha". Isso com a cara mais séria do mundo, sem qualquer malícia, como se estivesse receitando um remédio pra dor de cabeça. Só vendo.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas - Campo Grande/MS

Olá amigos interessados em Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia

Na próxima semana, estarei participando do XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas que esse ano tem como tema “Desbravando campos inovadores, desenvolvendo empreendimentos sustentáveis”.

O evento traz uma visão abrangente e objetiva do papel relevante que Parques e Incubadoras continuarão a desempenhar na trajetória de desenvolvimento do País.


A Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), realizam o evento que acontecerá em Campo Grande/MS, no período de 20 a 24 de setembro de 2010 e contará com a organização local da Prefeitura Municipal de Campo Grande apoiada pela Rede Sul-Matogrossense de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (RedeMS).

Esse evento tem um caráter catalisador que propiciará uma eficiência na relação entre Parques, Incubadoras e os agentes responsáveis pelo crescimento econômico regional. O avanço na interação com as dinâmicas sociais, econômicas, políticas e territoriais ratificará o potencial de contribuição desses mecanismos para o desenvolvimento nacional em bases sustentáveis.

Serão realizados durante o Seminário: mini-cursos, palestras e debates sobre como o empreendedorismo inovador pode e deve acelerar o desenvolvimento econômico e social do Brasil, tendo como premissas o uso sustentável da biodiversidade, o aproveitamento responsável de novos segmentos de mercado e a atenção à redução das desigualdades regionais.
 
Veja detalhes e como participar do Seminário em http://www.seminarionacional.com.br/seminario2010
 
Boa tarde a todos!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Primeiro Curso de Graduação em Nanotecnologia no Brasil

Criado primeiro curso de graduação em nanotecnologia no Brasil

Redação do Site Inovação Tecnológica - 08/09/2010
Curso de nanotecnologia
O Centro Técnico Científico da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) abriu inscrições para o vestibular no curso de Engenharia em Nanotecnologia.
Primeiro curso em nanotecnologia da América Latina, esta será uma das habilitações em engenharia e já está disponível no vestibular deste ano para ingresso no primeiro semestre de 2011. O prazo final para inscrição no vestibular se encerra em 10 de setembro.
Classificado como interdisciplinar, além da engenharia o curso reunirá áreas distintas como biologia, física, química, eletrônica, computação e ciência de materiais.
Formação em nanotecnologia
Devido à multidisciplinaridade da grade curricular, o engenheiro em nanotecnologia terá uma base de conhecimento mais ampla do que as engenharias tradicionais.
A Engenharia em Nanotecnologia será uma nova profissão que visa aplicar o conhecimento técnico e científico para inovar e aperfeiçoar materiais, estruturas, máquinas, instrumentos, sistemas e processos com propriedades e funcionalidades diferenciadas, normalmente não encontradas nos materiais naturais.
Por esta razão as nanotecnologias são consideradas disruptivas. Seu impacto no mercado profissional deverá impulsionar vários setores da economia: eletroeletrônica, energia, veículos e equipamentos de transportes, tecnologia da informação, construção civil, química e petroquímica, agronegócio, biomedicina e terapêutica, óptica, metrologia, metalurgia, produção mineral, proteção e remediação ambiental.
A Nanotecnologia também abre oportunidades para o empreendedorismo: mundialmente, a maioria das empresas de nanotecnologia nasce como spin-offs em universidades e laboratórios de pesquisa, a partir da patente de produtos inovadores.
Engenheiro em nanotecnologia
O curso será constituído de um ciclo básico - comum a todas as engenharias, onde o aluno receberá ampla formação científica - e um ciclo profissional - equilibrado em quatro áreas básicas: física, química, elétrica e de materiais.
Além disso, o Engenheiro em Nanotecnologia poderá ingressar em programas de pós-graduação e pesquisa na nanociência e nanotecnologia nas áreas de física, eletrônica, materiais, semicondutores e bionanotecnologia.
Mais informações sobre o curso podem ser obtidas nos endereços www.ctc.puc-rio.br e www.puc-rio.br/vestibular.

domingo, 29 de agosto de 2010

TURMA MBA NOTA 10

Queridos Amigos do Curso MBA em Gestão de Habitats de Inovação,

Minha homenagem  tem que ser feita por aqui e ainda é pouco para demonstrar todo meu carinho, amizade e consideração que tenho por todos: Professores, Colegas, Corpo Administrativo da FIA, enfim, todos pois durante esses cinco meses de convivência e aprendizado eu me tornei, sem dúvida nenhuma, uma pessoa melhor, em todos os sentidos.

Não aprendemos ou trocamos experiências, o que vivemos foi algo que poucas pessoas no mundo, podem experimentar.....A M I Z A D E  sincera e R E S P E I T O completo.

Cada um de vocês tem um lugar no meu coração e eu tenho certeza que esse curso é o primeiro passo para muitos outros projetos em conjunto, e, mais do que isso é a consolidação de amizades sólidas e muito especiais.

Eu só posso agradecer a Deus, por ter me dado essa oportunidade e esse privilégio de fazer parte de um grupo tão seleto e tão dedicado, especial em todos os sentidos.

Obrigada aos Mestres, aos técnicos da FIA em especial a uma menina de ouro chamada Vanessa, que cuidou de nós como ninguém, na sua inocência de menina que tem a força de uma M U L H E R! A ela meu carinho e desejo de muito sucesso na vida, pois ela merece.

À organização do curso, meu agradecimento e consideração pela dedicação, pelo empenho e segurança na orientação de um curso novo e desafiador.
A esses M E S T R E S, MUUUUUUUUUUITO OBRIGADA!

Enfim, meu respeito e admiração por todos que fazem parte desse momento tão especial em minha vida.

Um beijo no coração de cada um...cada um é especial para mim no mais puro sentido da palavra!

E vamos continuar o caminho, pois estamos só começando a dar os primeiros passos!!!!!

RUMO À ISRAEL, GALERA!

sábado, 14 de agosto de 2010

Módulo Internacional MBA Gestão em Habitats de Inovação leva participantes à Israel

Os participantes do curso MBA Gestão em Habitats de Inovação, terão a oportunidade de participar do Módulo Internacional que tem como objetivo propiciar ao(à)s participantes o conhecimento de diferentes realidades e problemáticas relacionadas à habitats de inovação por meio de visitas técnicas e palestras em instituições internacionais. As instituições a serem visitadas possuem alta densidade acadêmica e capacidade de sistematização do conhecimento. O Módulo será em Israel e o grupo, através da Rede Gaúcha de Incubadoras, submeteu projeto ao SEBRAE Nacional para captar recursos como forma de viabilizar a participação de todos.

Esse grupo, formado por 19 gestores de incubadoras de empresas, técnicos dos SEBRAEs Estaduais e Nacional, técnicos de Secretarias Estaduais e Redes de Incubadoras, é a primeira turma, no mundo,  a se Especializar em Gestão de Habitats* de Inovação.

Os futuros Especialistas terão em seu curriculo a capacidade de:

1. Melhor compreender, analisar e aplicar os principais conceitos relativos às funções clássicas da administração, tais como finanças, marketing e recursos humanos, na gestão de ambientes de negócios inovadores;
2. Aprofundar a compreensão do funcionamento, interações, principais conceitos e desafios atinentes ao ecossistema de inovação, em especial o Sistema Nacional de Inovação e os sistemas locais de inovação;
3. Melhor gerenciar os projetos relativos ao seu ambiente organizacional nos vários processos que compõem o seu ciclo de vida, utilizando técnicas modernas de gestão de projetos;
4. Aprimorar o gerenciamento das atividades típicas de seu ambiente organizacional nos vários processos que compõem a atividade administrativa: planejamento, organização, direção e controle;
5. Entender de forma mais ampla e aplicar as habilidades gerenciais requeridas para a função, tais como: estilos adequados de liderança, comunicação, negociação com partes interessadas internas e externas, bem como desenvolvimento de equipes;
6. Compreender os aspectos críticos na tomada de decisão sobre a localização, instalação e gestão dos parques tecnológicos e das incubadoras de empresas, a fim de fundamentar as políticas e orientar a estratégia e operação desses mecanismos; e
7. Estar familiarizado com e aplicar as melhores práticas de gestão de incubadoras de empresas e parques tecnológicos, para identificar e aproveitar as oportunidades decorrentes d crescente importância do empreendedorismo e da inovação, em especial a tecnológica, nos mercados globalizados, cada vez mais competitivos e com exigências crescentes de sustentabilidade socioambiental.
 
* Habitats de inovação são ambientes propícios ao desenvolvimento contínuo de inovações tecnológicas. Constituem espaços de aprendizagem coletiva, intercâmbio de conhecimentos e práticas produtivas, de interação entre os diversos agentes de inovação: empresas, instituições de pesquisa, agentes governamentais.
 
Incubadoras de empresas, parques tecnológicos, Arranjos Produtivos Locais (APLs), hotéis de idéias/projetos, clusters industriais e empresariais, consórcios são alguns exemplos usuais de habitats de inovação.



Lançado Edital de Subvenção

A FINEP acaba de lançar o edital nacional de subvenção econômica 2010, no valor de R$ 500 milhões. Os recursos, de natureza não reembolsável, vão apoiar projetos de inovação desenvolvidos por empresas brasileiras em seis áreas estratégicas: tecnologias da informação e comunicação; energia; biotecnologia; saúde, defesa e desenvolvimento social. Na área de energia, por exemplo, o edital contemplará projetos de pesquisa voltados para o desenvolvimento do carro elétrico além de soluções para exploração e desenvolvimento em campos off-shore de petróleo. As empresas interessadas têm até o dia 7 de outubro para preencher o formulário eletrônico, que estará disponível no site da FINEP no dia 31 de agosto.


Poderão concorrer aos recursos empresas de qualquer porte, individualmente ou em associação com outras empresas. Não será permitido a uma determinada empresa apresentar ou participar de mais de uma proposta por tema. O menor valor a ser solicitado é R$ 500 mil, podendo o financiamento chegar ao valor máximo de R$ 10 milhões. No mínimo, 40% dos recursos serão investidos em pequenas empresas, empresas de pequeno porte e microempresas e, no mínimo 30% deverão atender empresas localizadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

A empresa que tiver seu projeto aprovado, também precisará investir recursos próprios no desenvolvimento da pesquisa. Essa contrapartida varia entre 10% e 200% do valor do financiamento, dependendo do porte da empresa. As empresas que tiverem interesse poderão recorrer aos programas de crédito da FINEP para levantar os recursos oferecidos como contrapartida na proposta de subvenção econômica. “Ao utilizar o instrumento da subvenção, a ideia do governo é dividir com o empresário o risco da inovação”, afirma o diretor da FINEP, Fernando Ribeiro. Daí a exigência da participação financeira da empresa no desenvolvimento da pesquisa apoiada pela subvenção.

No julgamento das propostas serão considerados aspectos como, aderência ao tema, grau de inovação, viabilidade técnica e financeira do projeto, impacto no mercado e capacidade técnica da equipe executora.

Conheça alguns dos temas que serão apoiados nas seis áreas:

Tecnologias da Informação e Comunicação - Projetos de desenvolvimento de circuitos integrados, componentes eletrônicos para displays e dispositivos optoeletrônicos e microeletromecânicos, além de sistemas, software ou hardware, de grande impacto na Copa de 2014 e nas Olimpíadas de 2016, capazes de alavancar a empresa para o mercado externo, nas áreas de segurança pública, mobilidade urbana e sistemas de e-gov. O edital inclui ainda equipamentos, dispositivos e sistemas inovadores para comunicações de alta velocidade, capazes de impactar de forma significativa a implementação do backbone do Plano Nacional de Banda Larga.

Energia - Desenvolvimento de soluções para exploração e desenvolvimento em campos off-shore de petróleo e/ou gás, incluindo modelagem de bacias, imageamento sísmico e aquisição e processamento de dados. Também engloba plantas-piloto para obtenção de etanol de segunda geração a partir de biomassa e algas e sistemas de tração elétrica, baterias e capacitores aplicados a veículos elétricos automotores, inclusive em versão híbrida.

Biotecnologia - Inovações em bioprodutos para aplicação em agricultura, plantas geneticamente modificadas destinadas ao controle de pragas e doenças e à adaptação a condições adversas, para culturas industriais; fixação de nitrogênio em gramíneas e leguminosas. Inclui ainda o desenvolvimento de bioprodutos para aplicação nas indústrias farmacêutica e de cosméticos, que utilizem princípios ativos e essências retirados da biodiversidade brasileira, e para diagnóstico rápido de doenças infecciosas, degenerativas e genéticas.

Saúde - Desenvolvimento de dispositivos de uso em saúde humana, com ênfase em implantáveis: marcapasso, cardioversor desfibrilador, coclear com gerador elétrico e próteses de quadril e joelho, alem de equipamentos em saúde, com ênfase naqueles destinados a: diagnóstico por imagens; diagnóstico in vitro; hemodiálise e acessórios; amplificação sonora individual; centrífuga refrigerada para bolsa de sangue; freezer / conservador de ultrabaixa temperatura para amostras, sangue e vacinas. Inclui ainda inovações para testes e avaliação da segurança e desempenho de equipamentos elétricos, em moléculas e processos que contribuam para o desenvolvimento da produção nacional de insumos farmacêuticos ativos e medicamentos para uso no tratamento de doenças infecciosas, degenerativas e genéticas.

Defesa - Propostas de soluções integráveis para voo autônomo, incluindo decolagem e pouso automático e sistemas óticos e infravermelho para Veículo Aéreo Não Tripulado. Também inclui sistemas ligados à segurança e controle de navegação; acelerômetros e girômetros para aplicações diversas e materiais para proteção balística individual e de veículos para emprego militar.

Desenvolvimento Social - Sistemas de massificação do acesso à internet de banda larga, para atender as políticas públicas de inclusão digital em áreas urbanas e rurais, produtos e processos baseados em tecnologias sustentáveis para: habitação de interesse social, saneamento em processos de tratamento de água e esgoto, de baixo custo de implantação, operação e manutenção. Também apoiará produtos e serviços inovadores que permitam a acessibilidade de pessoas com deficiências, dentro dos princípios do design universal.

(Fonte: http://www.finep.gov.br/)

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Brasil, um país Inovador (????) - Brasil despenca para o 68º lugar no ranking de inovação

Brasil despenca para o 68º lugar no ranking de inovação


O trabalho, intitulado “A década do Brasil”, analisou o desempenho da economia do País e quais são os pontos de melhoria para alavancar o crescimento. O estudo foi realizado pela consultoria Roland Berger Strategy e mostra que o Brasil perdeu várias posições no ranking global de inovação e precisa ampliar bastante os investimentos nesse segmento.

De acordo com o Global Innovation Index 2010, o País caiu da 50ª para a 68ª posição no ranking mundial de inovação de 2010. Entre os países da América Latina, foi apenas o 7º colocado, comparado à 3ª colocação no último ano. Os investimentos em inovação no País representam 0,82% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto o Japão tem 3,40% do PIB e a China, 1,42%.

Para Rodrigo Dantas, um dos coordenadores do levantamento, o Brasil tem um conjunto de fatores que promovem seu crescimento econômico sustentável.

Dentro da política brasileira, o estudo cita com destaque a estabilidade das políticas internas e externas. No mercado de capitais, eles apontam a regulação bancária conservadora que preveniu o colapso do sistema financeiro. Além disso, a pesquisa destaca também um grande mercado doméstico (setor público, empresas e população). E também, o fator da infra-estrutura, com o forte investimento para a Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

“Apesar de o FMI prever que, entre os Brics (Brasil, Rússia, Índia e China) o Brasil crescerá a taxas anteriores a crise, os investimentos em inovações não são suficientes para sustentar o desenvolvimento”, diz Dantas. Na visão dele, muitas empresas retomaram seus investimentos e operam com mais tranquilidade, e conseguem analisar mercados, clientes e concorrentes. “Este é o momento para movimentos estratégicos e inteligentes”, enfatiza.

Para a realização do trabalho foram entrevistados presidentes de grandes empresas estrangeiras (como Unilever, 3M, Nokia, Toyota, Bosch) entre outros executivos, sobre os fatores mais problemáticos para se fazer negócios no País. Para 19% dos executivos, a regulação de impostos é um entrave para a realização de negócios, seguido pela taxas de impostos (18,5%), regulação de mão de obra restritiva (14%), entre outros fatores.

Segundo a pesquisa, existem formas de solucionar essas “fraquezas” como, por exemplo, gerar mais produtos de alto valor agregado, aumentar as reservas e, assim, a conta corrente, e investir em inovação. “Porém, em 2009, pela primeira vez desde 1978, a exportação de produtos básicos foi superior a produtos manufaturados. As reservas representam apenas 14,6% do PIB em 2009, o menor patamar desde 2001. A conta corrente externa está negativa. E os investimentos e inovação são insuficientes.”

“Baixos investimentos do Brasil em pesquisa e desenvolvimento estão fortemente correlacionados ao baixo share de produtos de alto valor agregado. Baixo share de produtos de alto valor agregado significa que as receitas de exportação são muito sensíveis aos preços de commodities. Por isso, o Brasil deve investir em inovação para desenvolver uma posição sustentável e se tornar uma das principais economias do mundo”, exemplifica Dantas.

O vice-presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), Guilherme Marco de Lima, afirma que inovação proporciona competitividade para as empresas ao gerar mais valor agregado ao produto e possibilitar o aumento das exportações. “Recentemente, entregamos um documento ao ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Machado Rezende, com exigências das próprias empresas para que se amplie a inovação no País”.

Solução – Na opinião dos coordenadores do estudo para estimular as inovações, é necessário que haja esforços conjuntos entre os setores público e privado. “Fica sob responsabilidade do Governo o estímulo à criação de pólos tecnológicos e redes de cooperação entre empresas e universidades, além da promoção de classes e cidades criativas. A função das empresas é incentivar a superação das barreiras à inovação por parte de seus CEOs e demais colaboradores”. O vice-presidente da Anpei disse que há uma série de soluções para ampliar a capacidade de inovação no País, mas que, para tanto, é necessário uma união entre setor privado e público e realocação de recursos destinados a esta área.

(Fonte: DCI)

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Prêmio FINEP de Inovação 2010

Regulamento


1. Objetivo
O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros, desenvolvidos no Brasil e já aplicados no País ou no exterior.

As empresas e instituições inovadoras são aquelas que desenvolvem soluções em forma de produtos, processos, metodologias e/ou serviços novos ou significativamente modificados, tendo lançado para o mercado ou para a sociedade ao menos uma dessas soluções nos últimos três anos.

2. Perfil dos participantes
Podem concorrer ao prêmio as empresas ou Instituições Científicas e Tecnológicas, públicas ou privadas, OSCIPs e Organizações Não Governamentais (ONG) com sede no País e que tenham a inovação como elemento relevante em suas estratégias de atuação. Na categoria Inventor Inovador, podem concorrer pessoas físicas que tenham patentes concedidas pelo órgão responsável - INPI e cujo objeto esteja comercializado.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009.

3. Etapas e Categorias
O Prêmio FINEP de Inovação 2010 tem duas etapas: Regional e Nacional, com as respectivas categorias:

Etapa Regional

Categoria Podem Participar

Micro/Pequena Empresa Empresas brasileiras com faturamento bruto em 2009 até R$10,5 milhões, representadas pelo conjunto de suas ações inovadoras nos últimos (três) 3 anos.

Média Empresa Empresas brasileiras com faturamento bruto em 2009 entre R$10,5 milhões e R$60 milhões, representadas pelo conjunto de suas ações inovadoras nos últimos (três) 3 anos.

Instituição Científica & Tecnológica - ICT Centros, departamentos, laboratórios ou outras unidades organizacionais de instituições de pesquisa públicas ou privadas, sem fins lucrativos, cujo conjunto de estratégias e/ou atividades de pesquisa e desenvolvimento, em determinado setor, tenham sido desenvolvidas para atender às necessidades de mercado demandadas por empresas brasileiras, nos últimos três anos.

Tecnologia Social (*) Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs, públicas ou privadas, Organizações Não Governamentais, OSCIPs, cooperativas e instituições também públicas e privadas sem fins lucrativos, por meio de projetos inovadores no âmbito das tecnologias sociais, implantadas nos últimos três anos.

Inventor Inovador Pessoa física que seja inventor em uma patente (invenção ou modelo de utilidade) concedida pelo INPI e em vigor na data do julgamento do prêmio.

Gestão da Inovação (**) Empresas brasileiras de qualquer porte, representadas pelo conjunto de ações de estruturação de ambientes internos de estímulo à inovação sistêmica e contínua nos últimos 3 anos, contemplando o gerenciamento do ambiente de inovação e sua integração à sua estratégia competitiva.

(*) Tecnologias sociais são produtos, técnicas ou metodologias, reaplicáveis, desenvolvidas em interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de transformação social.

(**) Concorrem automaticamente na categoria Gestão da Inovação as empresas inscritas nas categorias Micro/Pequena Empresa, Média Empresa e Grande Empresa, não havendo inscrição específica para esta categoria. Cada empresa será julgada nessa categoria pelos dados apresentados nos campos específicos, no formulário de inscrição.

Etapa Regional

Categoria Podem Participar

Grande Empresa Empresas brasileiras com faturamento bruto em 2008 superior a R$60 milhões representadas pelo conjunto de suas ações inovadoras nos últimos 3 anos.

Demais Categorias Cada vencedor regional concorre automaticamente, em uma segunda etapa, ao prêmio nacional dentro de sua categoria.

4. Inscrições
É condição para participação o preenchimento completo do formulário de inscrição disponível no endereço eletrônico do Prêmio FINEP (www.finep.gov.br/premio). Está vedado o envio de anexos, amostras ou de qualquer outro tipo de material complementar. Para a categoria Inventor Inovador, cada inventor poderá concorrer com apenas 01 (uma) patente concedida.

5. Prazo de Inscrições
As inscrições devem ser feitas no período de 6 de abril de 2010 até as 23:59 do dia 30 de julho de 2010, horário de Brasília.

6. Sedes Regionais
Anualmente, a FINEP escolhe sedes regionais que abrigam as atividades referentes ao lançamento e premiação.

Para o Prêmio FINEP de Inovação 2010, as sedes selecionadas são:

Região Centro-Oeste - Campo Grande - MS
Região Nordeste - Natal - RN
Região Sul - Curitiba - PR
Região Norte - Manaus- AM
Região Sudeste - Vitória - ES

7. Processo de Seleção
A Comissão Organizadora do Prêmio FINEP de Inovação 2010 efetuará uma pré-qualificação de todas as propostas inscritas. A pré-qualificação tem caráter eliminatório. Nesta etapa será verificado o preenchimento correto e completo de todas as informações do formulário de inscrição, bem como o atendimento ao perfil, às condições de participação e às categorias previstas neste regulamento.

As propostas pré-qualificadas serão avaliadas por comissões julgadoras compostas por especialistas, representantes de instituições e empresas inovadoras, além de representantes da FINEP.

Essas comissões atuarão de forma presencial ou não-presencial, a critério da Comissão Organizadora. Todos os membros das comissões julgadoras deverão firmar um Termo de Compromisso de sigilo sobre as informações às quais tiverem acesso durante todo o processo de julgamento do Prêmio.

8. Critérios de Avaliação
Os projetos submetidos serão avaliados de acordo com os critérios descritos no quadro abaixo. Para cada critério serão dadas notas de 1 a 5.

A nota final será o resultado da média aritmética simples:

Critérios de Avaliação:

Categoria / Critério

Pequena, Média e Grande Empresa / Dados quantitativos dos últimos três anos considerando: faturamento e seu crescimento anual; percentual do faturamento obtido com a inovação; recursos humanos qualificados contratados; margem operacional e seu crescimento; recursos investidos em novos equipamentos adquiridos para a inovação.

Como é feita a gestão da inovação nos seus sistemas de produção.

Esforço sistêmico e organizado da empresa em buscar, selecionar, desenvolver, avaliar e introduzir no mercado novos produtos, processo e/ou serviços.

Parcerias com entidades no desenvolvimento da inovação (universidades, centros de pesquisa etc.)

Instituição Científica e Tecnológica Dados quantitativos dos últimos três anos (capacitação de recursos humanos; capacitação laboratorial)

Apresentação de resultados e dos Impactos Econômicos, Ambientais e Sociais dos Projetos Desenvolvidos

Quantitativos das captações de recursos e investimentos em processos da inovação

Parcerias estabelecidas com empresas e/ou centros de pesquisa para o desenvolvimento da inovação

Tecnologia Social Interação com a comunidade no processo de desenvolvimento da Tecnologia Social

Apresentação de resultados e dos impactos econômicos, ambientais e sociais da reaplicação da Tecnologia

Reaplicabilidade e Sustentabilidade da Tecnologia

Características da Inovação

Parcerias desenvolvidas no processo de desenvolvimento e aplicação da inovação efetuada

Inventor Inovador Apresentação do impacto social e ambiental da inovação desenvolvida.

Tipo de inovação, campo de aplicação, ganhos técnicos em relação às tecnologias existentes (originalidade)

Patente concedida no exterior

Investimento pessoal no processo da inovação desenvolvida e no processo de sua introdução no mercado

Retorno Financeiro Esperado após o processo de introdução da invenção no mercado, ou seja, depois desta se tornar uma inovação

Gestão da Inovação Mecanismos de sistematização da ação inovadora (banco de idéias, carteira de projetos, planejamento da inovação, gerenciamento de projetos, desenvolvimento de produtos, mecanismos de aprendizado)

Organização interna da dinâmica da ação inovadora

Elementos facilitadores da inovação tecnológica e não-tecnológica

Resultados concretos e impactos percebidos (registros de proteção da propriedade intelectual, aumento do faturamento, retorno sobre investimento, pessoas envolvidas no caso)

Relevância de inovação no modelo de negócios

No caso de empate entre duas ou mais propostas finalistas, o critério de desempate será a pontuação dada a cada um dos critérios, na ordem apresentada na tabela acima. Persistindo o empate, a comissão julgadora decidirá, por consenso, o resultado final.

Os resultados estarão disponíveis no endereço eletrônico do Prêmio FINEP 2010 após a realização das cerimônias de premiação.

9. Premiação

Etapa Regional
1° lugar

Os vencedores da fase regional, de cada categoria, além de concorrerem à premiação nacional, recebem:

Categoria Inventor: placa alusiva; recursos financeiros não reembolsáveis por meio da apresentação de um projeto em parceira com empresa interessada em lançar a inovação no mercado;  convite para participação em workshop oferecido pela FINEP/INPI sobre proteção da propriedade intelectual e elaboração de projetos.

Demais categorias: disponibilização de recursos financeiros não reembolsáveis para futuros projetos de inovação; troféu; selo alusivo; convite para participação em workshop oferecido pela FINEP/INPI sobre proteção da propriedade intelectual e elaboração de projetos.

2° e 3° lugares: troféu

Os recursos não reembolsáveis destinados aos vencedores da Etapa Regional são determinados conforme a tabela abaixo:

Categoria                          Vencedores regionais

Micro/Pequena Empresa        1 Até R$500 mil

Média Empresa                     2 Até R$1 milhão

ICT                                      1 Até R$500 mil

Tecnologia Social                    Até R$500 mil

Inventor Inovador                   Até R$120 mil

Gestão da Inovação                Até R$500 mil

Etapa Nacional

1° lugar
Categoria Inventor: medalha da Organização Mundial da Propriedade Intelectual; curso de capacitação em Propriedade Intelectual oferecido pelo INPI; disponibilização de recursos financeiros não reembolsáveis para o projeto em adição àqueles conquistados na etapa regional

Demais categorias: disponibilização de recursos financeiros não reembolsáveis em adição àqueles conquistados na etapa regional; troféu; selo alusivo à conquista;

Os recursos não reembolsáveis destinados aos vencedores da Etapa Nacional são determinados conforme a tabela abaixo:

Categoria                                        Vencedores nacionais

Micro/Pequena Empresa                  Mais R$500 mil (*)

Média Empresa                               Até R$1 milhão (*)

Grande Empresa                             Até R$2 milhões

ICT                                               Até R$500 mil (*)

Tecnologia Social                          Até R$500 mil (*)

Inventor Inovador                         Até R$120 mil (*)

Gestão da Inovação                     Até R$500 mil (*)

(*) em adição aos recursos obtidos na etapa regional, para o mesmo projeto

10. Acesso aos recursos Não Reembolsáveis
Os recursos não reembolsáveis destinados aos vencedores nessa etapa atendem às seguintes características:

- a premiação destinada à empresa deverá seguir as condições exigidas na concessão da subvenção econômica (Anexo I);
- no caso de uma empresa vencer o prêmio (regional e/ou nacional) em mais de uma categoria, os recursos de subvenção destinados a ela NÃO serão acumulativos, podendo a mesma apresentar apenas um projeto, no valor máximo de um dos prêmios obtidos.
- para a categoria ICT, o projeto deverá estar relacionado com as atividades ou estratégias do Centro, Departamento, Laboratório ou outra unidade organizacional premiada na etapa nacional ou regional. O projeto deverá manter relação com as suas atividades com o mercado;
- excepcionalmente, na categoria ICT, não será exigida contrapartida financeira da instituição/entidade interveniente, no caso de projetos cooperativos ICT-Empresa;
- no caso de a vencedora da categoria Tecnologia Social ser uma Organização Não Governamental (ONG) ou OSCIP, a proponente do projeto a ser apresentado à FINEP deverá ser uma ICT parceira da instituição vencedora;
- o prêmio da categoria Inventor Inovador será na forma de projeto de cooperação. Para tal, o mesmo deverá apresentar proposta em conjunto com uma empresa, até o valor máximo do prêmio obtido, e com contrapartida da empresa de no mínimo 100% do valor solicitado;
- todos os projetos serão objeto de análise operacional da FINEP e deverão apresentar atividades futuras;
- o prazo para apresentação da proposta à FINEP é de até 180 dias após a cerimônia de premiação nacional. A FINEP se compromete a concluir a análise da proposta em até 90 dias, a contar da data de sua apresentação;
- o ressarcimento de despesas já realizadas não será aceito.

11. Condições para o Financiamento não reembolsável destinados às Empresas Vencedoras do Prêmio FINEP 2010

1) Objetivo / Temas:
Apoiar o desenvolvimento de produtos, serviços ou processos inovadores em empresas brasileiras através de recursos não reembolsáveis (subvenção econômica) que se enquadrem nas prioridades da Política de Desenvolvimento Produtivo - PDP (www.mdic.gov.br/pdp).

2) Contrapartida obrigatória por porte de empresa:
Porte da Empresa        /           Faturamento Anual (R$)                  /       Contrapartida Mínima

Microempresas/Empresas         até 2.400.000,00                                                5%

Pequenas                                  2.400.000,01 a 10.500.000,00                          20%

Médias                                   10.500.000,01 a 60.000.000,00                          100%

Grandes                                     acima de 60.000.000,00                                   200%

Inventor Inovador                                                                                               100% (da empresa)

3) Itens Financiáveis com recursos FINEP/FNDCT:
Despesas de custeio, tais como: pagamento de pessoal próprio, contratação de consultorias especializadas de pessoas físicas ou jurídicas, material de consumo e aluguel de bens móveis e/ou imóveis necessários ao projeto.

12. Considerações Finais
A inscrição no Prêmio FINEP pressupõe a autorização de divulgação das inscrições participantes, o conteúdo das inovações tecnológicas e seus respectivos benefícios para a empresa e sociedade, bem como a cessão do direito de imagem dos presentes nas cerimônias de premiação;

- não poderão ser premiadas empresas ou instituições que estiverem inadimplentes em suas obrigações com a FINEP na data do julgamento das propostas;
- a FINEP vai capacitar as empresas/instituições classificadas à fase nacional para que possam se apresentar de forma adequada ao júri;
- os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação Nacional do Prêmio;
- a comissão julgadora é soberana, não cabendo recurso às suas decisões;
- o Júri Nacional será presidido por um dos diretores da FINEP.
- todos os projetos de subvenção a serem apresentados serão analisados segundo os mesmos critérios da Chamada Pública de Subvenção Nacional.

Para maiores informações, contactar os coordenadores do Prêmio Finep 2010:

Coordenadores Regionais
Vera Marina da Cruz e Silva
vera@finep.gov.br

Equipe de Coordenadores:
Região Sudeste - Alexandre Cabral
Tel.: (21) 2555-0253 begin_of_the_skype_highlighting (21) 2555-0253 end_of_the_skype_highlighting - acabral@finep.gov.br

Região Sul - Marco Antonio Nunes
Tel.: (21) 2555-0444 begin_of_the_skype_highlighting (21) 2555-0444 end_of_the_skype_highlighting - manunes@finep.gov.br

Região Nordeste - Deuci Castro
Tel.: (21) 2555-0665 begin_of_the_skype_highlighting (21) 2555-0665 end_of_the_skype_highlighting - dcastro@finep.gov.br

Região Centro Oeste - Marco Antonio Nunes
Tel.: (21) 2555-0444 begin_of_the_skype_highlighting (21) 2555-0444 end_of_the_skype_highlighting - manunes@finep.gov.br

Região Norte - Renato Marques
Tel.: (21) 2555-0212 begin_of_the_skype_highlighting (21) 2555-0212 end_of_the_skype_highlighting - renato@finep.gov.br

Suporte às inscrições:

Agda Dias - (21) 2555-0510 begin_of_the_skype_highlighting (21) 2555-0510 end_of_the_skype_highlighting - premio@finep.gov.br

O que são Habitats de Inovação?

Habitats de inovação são ambientes propícios ao desenvolvimento contínuo de inovações tecnológicas. Constituem espaços de aprendizagem coletiva, intercâmbio de conhecimentos e práticas produtivas, de interação entre os diversos agentes de inovação: empresas, instituições de pesquisa, agentes governamentais.

Incubadoras de empresas, parques tecnológicos, arranjos produtivos locais (APLs), hotéis de idéias/projetos, clusters* industriais e empresariais, consórcios são alguns exemplos usuais de habitats de inovação.

*Do ponto de vista conceitual, numa definição genérica, um arranjo produtivo, ou "cluster", é um grupo de coisas ou de atividades semelhantes que se desenvolvem conjuntamente. Assim sendo, o conceito sugere a idéia de junção, união, agregação, integração...

Pensar no desenvolvimento de um determinado local (Estado, Cidade, Região, etc) sem pensar em Habitats de Inovação é, com certeza regredir e nao avançar no que se pensa para se desenvolver esse local econômica e financeiramente.

Alguns dos Habitats de Inovação no Brasil:

1. Porto Digital - O Porto Digital é resultado do ambiente de inovação que se consolidou em Pernambuco nas últimas décadas. Em uma região atrativa para inovação, instituições, empresas, universidades e governos fomentaram mudanças econômicas e sociais que estão gerando riqueza, emprego e renda.

Conheça o Porto Digital: http://www.portodigital.org/

2. O Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia – Cietec inaugurado em abril de 1998, a partir de um convênio celebrado entre a atual Secretaria de Desenvolvimento do Governo do Estado de São Paulo – SD, Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas de São Paulo – SEBRAE-SP, a Universidade de São Paulo – USP, o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – IPEN e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, tendo como missão incentivar o empreendedorismo e a inovação tecnológica e apoiar a criação, fortalecimento e consolidação de empresas e empreendimentos inovadores, de base tecnológica. O CIETEC possui: pré-incubação, incubação, pós-incubação de empresas de base tecnológica, destinados, basicamente, a apoiar a criação e desenvolvimento de empresas, particularmente de micro e pequenas empresas e o seu fortalecimento e consolidação dessas empresas, em especial em termos de participação no mercado e geração de empregos de qualidade.

Conheça o CIETEC: http://www.cietec.org.br/

3. TECNOPUC: criada em dezembro de 1999 a AGT – Agência de Gestão Tecnológica e Propriedade Intelectual, teve como objetivo desenvolver mecanismos institucionais para coordenar e viabilizar a relação com as empresas e instituições sociais. Desde então, ampliou significativamente as parcerias com empresas ao longo dos últimos anos (HP, DELL, AES-SUL, TELEFÔNICA, RGE, PARKS, etc.) acumulando boa experiência no assunto, gerando através dessas parcerias o seu Parque Científico e Tecnológico – TECNOPUC – destinando 5,4 ha de seu Campus para essa finalidade

Conheça o TECNOPUC: http://www.pucrs.br/agt/tecnopuc/

Outros habitats estão em implantação como:

Sapiens Parque: O Sapiens Parque é um parque de inovação concebido para promover o desenvolvimento de segmentos econômicos que já são vocações de Florianópolis, como o turismo, a tecnologia, o meio-ambiente e serviços especializados.Define-se parque de inovação como um ambiente com infra-estrutura e espaço para abrigar empreendimentos, projetos e outras iniciativas estratégicas para o desenvolvimento de uma região. Distingue-se por utilizar um modelo inovador para atrair, desenvolver, implementar e integrar estas iniciativas, visando a estabelecer um posicionamento diferenciado, sustentável e competitivo.

Conheça o Sapiens Parque: http://www.sapiensparque.com.br/

Parque de Ciência e Tecnologia Guamá - PCT Guamá: será um ambiente de apoio à criação e consolidação de empresas intensivas em tecnologia e ambientalmente adequadas para o Estado do Pará. Deverá se configurar como um elemento fundamental de apoio/fomento à criação e atração empresas estratégicas ao Estado e concebido para ser elo potencializador da transferência do conhecimento científico às empresas que gerem produtos de alto valor agregado.


Conheça o PCT Guamá: www.pctguama.pa.gov.br/

Conhecer mais sobre Habitats de Inovação é uma viagem ao conhecimento!







sexta-feira, 18 de junho de 2010

terça-feira, 11 de maio de 2010

I Encontro Paraense de Inovação e Tecnologia & IV Encontro Regional de Empreendedorismo na Amazônia






Números do evento:

As inscrições foram abertas no dia 04 de maio e em menos de meia hora, já tínhamos mais de 100 pessoas inscritas.

Foram disponibilidazadas 500 vagas para as Palestras e a organização teve qe abrir mais 50 vagas para os participantes interessados. Hoje, dia 11 de maio 554 pessoas estão inscritas para assistir às palestras do  Encontro.
Os 04 minicursos tiveram suas vagas preenchidas logo na semana que abriram as inscrições o que mostra a importância do evento e o interesse dos participantes.

Os interessados em participar do I Encontro Paraense de Inovação e Tecnologia & IV Encontro Regional de Empreendedorismo na Amazônia, poderão fazer inscrição somente no Hangar, nos dias do evento para as Palestras, os minicursos somente abrirão vagas se houver desistência de algum participante!

Para saber o que acontecerá nos 3 dias de evento, acesse: http://www.epitpara.com/

Abraços a todos!

domingo, 2 de maio de 2010

I Encontro Paraense de Inovação e Tecnologia e IV Encontro Regional de Empreendedorismo na Amazônia

Amigos,

As inscrições ao I Encontro Paraense de Inovação e Tecnologia e IV Encontro Regional de Empreendedorismo na Amazônia, estão disponiveis a partir do dia 03 de maio no site: http://www.epitpara.com/ . O valor para participação nas Palestras e Minicursos são 02 Kg de alimentos não perecíveis.

O Workshop CERNE é aberto apenas para as pessoas ligadas diretamente às Incubadoras e Parques Tecnológicos. Os valores para participação do Workshop são: R$ 250,00 para Associados da ANPROTEC e R$ 300,00 para não associados (Consultores).

Maiores detalhes: (91) 4009-2536/8144-6155

AS VAGAS SÃO LIMITADAS!

Não percam a oportunidade de participar desse grande evento!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

I Encontro Paraense de Inovação e Tecnologia e IV Encontro Regional de Empreendedorismo na Amazônia

Amigos,

A partir do dia 02 de Maio o site do I Encontro Paraense de Inovação e Tecnologia e IV Encontro Regional de Empreendedorismo na Amazônia, estará no ar e disponível para inscrições ao evento.

Para você ter direito à participar se inscreva diretamente no site, aguarde o contato da organização que será feita atrávés de e-mail e no dia do Credenciamento leve 2 kgs de alimentos não perecíveis para receber o material do evento.

Outras informações serão repassadas posteriormete.

Abraços !

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Curso "Latu Senso" - Gestão em Habitats de Inovação - FIA/USP

Amigos,

O Curso de Gestão de Habitats, promovido pela ANPROTEC e FIA, está sendo maravilhoso, nessa primeira semana fomos "presenteados" com Professores da mais alta competência nas disciplinas aplicadas.

Amigos de diversas Incubadoras e Parques Tecnológicos do Brasil, fazem parte da turma que é extremamente seleta e eu me sinto privilegiada por estar participando dessa capacitação, que eu tenho certeza, será de grande importância para a minha vida pessoal e profissional.

Todos os nossos Professores, são da USP o que muito me orgulha, afinal sou "cria" da casa.
Estar novamente vivendo esse momento "acadêmico" está sendo muito bom!

Vou informando a todos o andamento do Curso!

Por enquanto, mais detalhes ainda estão sendo analisados...pra saber se vou disponibilizar "algo mais".

Bem...hoje fico por aqui...em breve trarei outras informações!

Abraços a todos.

segunda-feira, 29 de março de 2010

MBA Gestão de Habitats de Inovação


A partir do dia 05 de Abril, estarei participando do curso de MBA denominado "Programa de Capacitação em Gestão de Habitats de Inovação", organizado e realizado pela ANPROTEC e FIA/USP. O curso foi concebido sob a forma de um curso de especialização, em nível de pós-graduação lato sensu, com carga total de 460 horas de dedicação.

O Curso tem por objetivos:


• Aprimorar a competência do(a)s participantes na utilização de conceitos e práticas de gestão requeridas para o bom desempenho do Sistema Empreendedor de Inovação.

• Propiciar condições ao(à)s participantes para desenvolverem conhecimentos, habilidades e atitudes que permitam assegurar o cumprimento das principais missões das instituições integrantes do Subsistema Estratégico.

O Subsistema Estratégico define-se como mostra a figura abaixo:

O corpo docente deverá ser formado por um núcleo de professore(a)s da FIA, docentes experientes e titulados da Universidade de São Paulo, em especial da sua Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA/USP). A esse grupo serão agregados profissionais de instituições acadêmicas, formuladores de políticas públicas, agentes de inovação e profissionais do mercado com experiência reconhecida nas disciplinas constantes da grade curricular do curso.


Serão também convidados palestrantes renomados internacionalmente, como fruto da parceria pioneira celebrada pela ANPROTEC com a International Association of Science Parks (IASP).

A coordenação estará a cargo dos professores titulares da FEA/USP Isak Kruglianskas e Roberto Sbragia, pioneiros no campo da educação avançada em gestão da inovação, com amplo reconhecimento no Brasil e no Exterior.

Estou muito feliz em participar do referido curso, pois sei a importância de estarmos continuamente aprendendo e trazendo mais conhecimentos a serem aplicados, visando ao desenvolvimento do Estado do Pará.

Aproveito aqui para agradecer à equipe da ANPROTEC e à RAMI pelo apoio incondicional que tenho recebido para realizar esse importante curso.

No mais, trarei muitas novidades durante o curso.

Chamada para apresentação de trabalhos no Seminário da ANPROTEC

Chamada de Trabalhos para o XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas.


Convidamos a comunidade acadêmica e empresarial para participar da Chamada de Trabalhos 2010.

Esta é uma grande oportunidade para compartilhar experiências, estudos, boas práticas, pesquisas e novas perspectivas que se enquadrem na temática de empreendedorismo inovador. Os trabalhos serão apresentados durante o XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XVIII Workshop ANPROTEC, que será realizado em Campo Grande – MS, de 20 a 24 de setembro de 2010.

Sob o tema "Desbravando Campos Inovadores, Desenvolvendo Empreendimentos Sustentáveis", o evento demonstrará uma forte sintonia com as políticas traçadas para o País e apresentará espaços privilegiados para discussão da sustentabilidade sobre o papel relevante das incubadoras, pólos e parques tecnológicos do Brasil.

A chamada de trabalhos está dividida em duas categorias: Pôsteres, ou artigos curtos, onde se pretende selecionar até 60 trabalhos; e Artigos Completos, para a seleção de até 30 artigos. O melhor trabalho de cada categoria receberá prêmios no valor de R$ 2 mil para os completos e R$ 1,5 mil para pôsteres, em cursos e eventos da Anprotec, além de certificados confirmando a participação.

As inscrições dos projetos poderão ser feitas até 05 de julho, no site do seminário http://www.seminarionacional.com.br/ , no menu Chamada de Trabalhos.

Mais informações: (61) 3202-1555 ou pelo e-mail: fernanda@anprotec.org.br

quinta-feira, 25 de março de 2010

Resultado do Edital Nº 025/09 - APOIO A ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS PARA MPE COM PERFIL INOVADOR

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ciência e Tecnologia (SEDECT) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (FAPESPA) divulgaram o resultado do Edital Nº 025/09 - APOIO A ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS PARA MPE COM PERFIL INOVADOR PARA O PARQUE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA GUAMÁ.
O Edital prevê o apoio financeiro no valor de R$ 20.000,00 por projeto aprovado. Cada projeto receberá apoio de um Pesquisador e um Consultor credenciado no SEBRAE que irão orientar os responsáveis pelos projetos apresentados, na elaboração de Plano de Negócios de Base Tecnológica, com vistas à participar, futuramente, do processo seletivo que dará direito à instalar a empresa no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá - PCT Guamá. 

Veja o Resultado:

Tipo 1 - Empresa

1. Soluções em Tecnologia da Informação Ltda - Andreson Jorge Serra da Costa
Titulo do Projeto: "Desenvolvimento de Software de Alta Qualidade Utilizando Processos de Sotware Maduros"

2. Harry Freitas e CIA Ltda - Harry Freitas Cruz
Titulo do Projeto: "Plano de e-Business Amazon Market"

3. Ortho Life Comércio e Serviço Ltda - Carlos Henrique Andrade Mancebo
Titulo do Projeto: "Apoio a elaboração do plano de negócios de base tecnológica para instalação da Ortho-Life no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá"

4. Chamma da Amazônia - Frederico Guilherme Pamplona Moreira
Titulo do Projeto: "Instalação da Chamma da Amazônia - setor Biotecnologia, no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá"

5. Neoradiz Serviços de Engenharia Eletrônica Ltda - Humberto Caio Camilo Leão
Titulo do Projeto: "Projeto Plano de Negócios Neoradix"

Tipo 2: Projetos

1. Proponente: Dionne Cavalcante Monteiro
Titulo do Projeto: "ZiGreenBee: Redes de sensores ambiental e industrial"

2. Proponente: Heliton Ribeiro Cerqueira
Titulo do Projeto: "Plano de Negócios da InoV Gestão"

3. Proponente: Eduardo Coelho Cerqueira
Titulo do Projeto: "Inovação em segurança da tecnologia da informação e comunicação para o PCT Guamá"

4. Proponente: Maylson Lívio dos Santos Gonçalves
Titulo do Projeto: "E-Business Games: Desenvolvimento, Comercialização e Capacitação Profissional em Jogos Eletrônicos Empresariais"

5. Proponente: Marcos Vinicius Sadala Barreto
Titulo do Projeto: "Experimentação Virtual em Máquinas"

Aos vencedores: PARABÉNS!

Olimpíada do Conhecimento premia jovem paraense!

Criatividade, liderança, tomada de decisões. Conceitos que fazem parte do dia-a-dia no ensino do SENAI. E para premiar os alunos que se destacam em seus cursos, a entidade criou em 2001 a Olimpíada do Conhecimento, a maior competição de educação profissional das Américas.

A Olimpíada do Conhecimento é uma das principais vitrines profissionais do país, pois expõe o talento de jovens estudantes, incentiva o desenvolvimento de competências e ensina os alunos a superar desafios, aproximando-os da realidade do mercado de trabalho e do ambiente industrial. E os melhores colocados disputam uma vaga no WorldSkills, o mais importante torneio internacional de educação profissional. Prova de qualidade do Brasil para o mundo.

Segundo o Presidente da CNI, Armando Monteiro Neto, o evento ajuda a criar uma indústria brasileira mais capacitada, capaz de competir globalmente. Prova disso é o desempenho do Brasil no WorldSkills 2007, quando ficou em segundo lugar, à frente de países altamente industrializados como Alemanha, Estados Unidos e Japão. Para o diretor-geral do SENAI, José Manuel de Aguiar Martins, a Olimpíada do Conhecimento é mais que um torneio, é parte de um processo educacional que forma profissionais altamente qualificados. Isso confere mais qualidade ao produto nacional.


Em segundo plano, a Olimpíada, aberta ao público, torna-se também um espaço de interação e troca de experiências entre a indústria, empresários, estudantes e a comunidade. Além das provas, palestras e exposições atraem mais de 80 mil alunos. E na Praça da Cidadania, programas do SESI como o Cozinha Brasil e a Biblioteca Móvel entretêm os visitantes e oferecem cursos rápidos para a população. Trabalho conjunto do Sistema Indústria pelo pleno desenvolvimento de toda a sociedade brasileira.





O jovem VICTOR ROBERTO GOMES DA CUNHA de 18 anos, foi um dos representantes do Pará, recebendo a Medalha de Prata ao ficar em 2o. Lugar na Categoria Eletrônica Industrial .

Ao nosso jovem representante PARABÉNS!



 
 
 
Entrada da Delegação Paraense que competiu com 8 estudantes do SENAI Pará.

sexta-feira, 19 de março de 2010

2a. CRNCTI - Acompanhe ao vivo!

A 2a. Conferência Regional Norte de Ciência,Tecnologia e Inovação - CRNCTI  acontece neste momento no Hangar Centro de Convenções e Feira da Amazônia.


Acompanhe ao vivo: http://www.webtv.pa.gov.br/

A 2a. Conferência Regional Norte de C,T&I - CRNCTI é um preparo para a 4a. Conferência Nacional de C,T&I - CNCTI.

terça-feira, 16 de março de 2010

Belém sedia a 2a. CRNCTI - Conferência Regional Norte de Ciência, Tecnologia e Inovação

Será nos próximos dias 18 e 19 de Março, quinta e sexta-feira o Hagar Centro de Convençõe e Feiras da Amazônia a 2a. Conferencia Regional Norte de Ciência, Tecnologia e Inovação - CRNCTI.

A 2ª Conferência Regional Norte de Ciência, Tecnologia e Inovação – 2ª - CRNCTI, está sendo organizada sob os auspícios do Conselho Nacional de Secretários Estaduais para assuntos de CT&I – CONSECTI e do Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa – CONFAP, em parceria com os governos estaduais. A 2ª CRNTI será realizada nos dia 18 e 19 de março de 2010 na cidade de Belém, onde se espera a participação de cerca de 500 pessoas.

A 2ª CRNCTI é fundamental como etapa preparatória para a Conferência Nacional na medida em que se constitui como um fórum altamente especializado, propício para a realização de reuniões de trabalho, onde se espera induzir discussões provocativas para a identificação dos gargalos ao desenvolvimento científico e tecnológico e propostas de longo prazo, nas temáticas específicas, que levem à implantação e desenvolvimento de planos de estado voltados a soluções dos problemas e limitações observados nas temáticas. Além disto, é na conferência regional que será possível a identificação e o estabelecimento de interações entre os estados que visem à implantação de políticas nacionais de CT&I para a região norte.
A 2ª Conferência Regional Norte de CT&I terá cinco eixos fundamentais para discussões:

(i) Política de Estado de C&T&I para o Desenvolvimento Sustentável;
(ii) Sistema Nacional de C&T&I;
(iii) Inovação nas Empresas;
(iv) Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Áreas Estratégicas;
(v) Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Social.

Um dos principais resultados esperados para a 2ª CRNCTI será elaboração de um documento que será encaminhamento para discussões na 4ª CNCTI, em Brasília, contendo a realidade da região norte no que concerte CT&I, indicando os gargalos para o desenvolvimento científico e tecnológico, em áreas prioritárias, bem como, um leque de sugestões para a solução dos problemas, de tal forma que se possa, efetivamente, formular uma Política de Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, junto ao Ministério de Ciência e Tecnologia, que tenha como objetivo principal o desenvolvimento sustentável.
 
Faça sua Inscrição, acesse: http://www.crncti.pa.gov.br/sistema
 
Fonte: http://www.crncti.pa.gov.br/

Carta-convite e formulários do Pappe Integração já estão disponíveis

Já estão disponíveis no site da FINEP a carta-convite e o formulário para inscrição das instituições que desejarem operar o Pappe Integração (Programa de Subvenção à Pesquisa em Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Norte, Nordeste e Centro-Oeste). Podem se candidatar à parceria fundações de amparo à pesquisa dos estados, secretarias estaduais de ciência e tecnologia ou entidades sem fins lucrativos indicadas pelas secretarias. São essas instituições que irão gerenciar todos os recursos localmente, transferindo-os às empresas beneficiadas. O envio das propostas pode ser feito até 12/04. O resultado final está previsto para junho.
Lançado em dezembro de 2009, o Programa é uma nova iniciativa de fomento à inovação em 20 estados nas três regiões escolhidas. Ao todo, a FINEP destinará R$ 100 milhões em recursos não reembolsáveis (que não precisam ser devolvidos) da Subvenção Econômica, para apoiar cerca de 500 empreendimentos. A opção pela proximidade dos parceiros operadores vai garantir capilaridade ao Pappe.
“Como um programa descentralizado, a ideia é aproveitar o espírito empreendedor de cada região e, finalmente, atingir todos os pontos do país”, diz Gina Paladino, superintendente da Área de Subvenção e Cooperação da FINEP. Até o final de junho, as empresas – que serão escolhidas por editais próprios capitaneados pelas instituições selecionadas pela FINEP nesta primeira fase – já estarão recebendo os recursos.
Os parceiros poderão operar entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões, sem necessidade de contrapartida estadual. Para os que solicitarem mais de R$ 2 milhões, deverá ser observado o critério de contrapartida estabelecido no item 4 da carta-convite, que varia de acordo com cada estado. Além do repasse financeiro, a FINEP também vai orientar e capacitar os gestores do Pappe Integração em cada estado.
Cada empresa contemplada (com faturamento de até R$ 2,4 milhões por ano) vai receber no mínimo R$100 mil e, no máximo, R$ 400 mil, dependendo do porte e características dos projetos. Os recursos serão aplicados no desenvolvimento de novos produtos, serviços e processos que agreguem valor aos negócios e ampliem seus diferenciais competitivos.
O foco no Norte, Nordeste e Centro-Oeste tem por base a garantia de que 30% dos recursos do FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) sejam destinados a estas regiões. “Esta é uma iniciativa que reflete o compromisso da FINEP e do Ministério da Ciência e Tecnologia em incluir todas as microempresas brasileiras no mapa da inovação”, completa Gina.

Fonte: Site da FINEP

Uma vista de Israel

Uma vista de Israel
Um lugar chamado "A cidade Dourada"

Minha Belém

Minha Belém
Nada se compara a essa Terra de Maravilhas Mil. Brasil és abençoado e Belém passou na fila várias vezes! AMO MEU PARÁ, AMO MINHA BELÉM!